segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

O potencial de Chico Xavier frente a Emmanuel



Francisco Cândido Xavier, o nosso querido e por ele mesmo preferido Chico Xavier. "O médium que psicografou mais de 400 livros e fez do Brasil a maior nação espírita do mundo", é assim que é lembrado em uma revista especial sobre o Espiritismo - Aventuras da História. A trajetória de uma doutrina. ESPIRITISMO:
                                 "Se hoje o Brasil é considerado a maior nação espírita do mundo com quase 2,5 milhões de adeptos e 30 milhões de simpatizantes, isso se deve, em boa parte, ao trabalho de divulgação excecutado por Chico (...)"

Sabe-se que a encarnação atual é fruto também de ações em vidas passadas. Acerca de Chico Xavier, muitos dizem que já era um espírito evoluído que não precisaria encarnar na Terra, porém, em missão, cumpriu seu dever: levar o amor que o Espiritismo revela aos homens.

Não há dúvidas sobre a superioridade espiritual de Chico Xavier, se não como explicar a verdadeira paciência que tinha, aos 5 anos de idade, com sua madrinha, enquanto esta lhe dava surras com vara de marmelo, espetava garfos em seu abdômen e até mesmo fazia o menino lamber feridas de seu filho em uma suposta simpatia curadora? 

Como entender um homem humilde, com pouco estudo, escrever 412 livros e não embolsar um centavo para as próprias vestes e alimentação?

Como explicar a serenidade e entendimento de um ser humano quando injustiçado?

Quantos relatos existem  sobre esta paciência, serenidade e entendimento de Chico Xavier frente a pessoas que o humilharam?

Em que lugar achar a resposta para todas essas questões, se o homem em questão não fosse Chico Xavier?

Sem dúvida um espírito muito evoluído, muito a frente do que se entende hoje por "humanidade". Emmanuel o conhecia e sabia que ele estava preparado. Chico Xavier, o aluno disciplinado para que a missão de divulgação do Espiritismo fosse cumprida. Se para muitos Emmanuel era duro com Chico, é por que este conseguiria responder ao que os Espíritos de Luz estavam propondo. Se passava horas a fio escrevendo, com dores e sangue nos olhos, é porque entendia que as dores do mundo não poderiam esperá-lo. Se era humilhado quando criança e quando adulto, ainda que ajudando os outros, entendia, pois sabia que nem todos tinham a luz da consciência que ele possuia.

No livro As Vidas de Chico Xavier, Marcel Souto, o autor sintetiza como era a vida de Chico quando já em trabalho pelo Espiritismo:

"No início, diante das primeiras críticas, ele ficava irritado. Emmanuel deu um jeito nele com algumas frases contundentes: Seu ressentimento é pura vaidade. Você não pode exigir que os outros acreditem naquilo em que você acredita. Ninguém precisa seguir a sua cartilha. Logo após escrever Nosso Lar, seu décimo nono livro, o próprio Chico quis estudar Psicografia. Pediu a opinião de Emmanuel e foi atendido com uma metáfora bucólica: Se a laranjeira quisesse estudar o que se passa com ela na produção das laranjas, com certeza não produziria fruto algum. Vamos trabalhar como se amanhã já não fosse possível fazer nada. Para nós, o que interessa agora é trabalhar.

Chico trabalhava como um louco. Se estivesse no tal Nosso Lar, teria acumulado bateladas de bônus. O trabalho, para ele, era uma obsessão e uma terapia. Bastava acordar de suas três ou quatro horas de sono diário, quase sempre turbulento, para ser surpreendido por frases e mais frases. Era incontrolável, compulsivo. Com a cabeça cheia, saltava até a escrivaninha, esparramava parágrafos às pressas no papel e corria para a Fazenda Modelo. À noite, ia para o Centro. Não podia perder tempo."

No mesmo livro, Marcel Souto descreve como Chico Xavier estava em constante aprendizado com ajuda de seu mentor Emmanuel:

"Um dia, na Fazenda Modelo, arrancou uma laranja do pé e ouviu a censura: "Ladrão". Emmanuel poderia pegá-lo em flagrante a qualquer momento. E entrava em cena contrariado quando seu protegido usava palavras inconvenientes, falava em tom áspero ou dava sinais de agressividade e impaciência. Com o tempo, Chico passou a apostar na frase "o mal é o que sai da boca do homem" e começou a construir um discurso sob medida."

A santidade era algo que Chico fugia. Sentia-se extremamente trsite quando alguém se abaixava para beijar seus pés em um ato de inferioridade. Parecia não conhecer seu próprio potencial em levar e relembrar multidões do amor de Cristo. Sua humildade era uma das suas maiores qualidades, deixava-o longe dos desejos do mundo.

O potencial que Emmanuel e os Espíritos de Luz viram em Chico não era um potencial fantasioso de algum tipo de super-heroi, criado por imaginação. Chico Xavier era um homem, como qualquer outro, mas com o potencial de uma grande alma, que sente necessidade de ser melhor, de ajudar e de amar o próximo.

---

Para conhecer o livro As Vidas de Chico Xavier (Marcel Souto), basta clicar no título.

3 comentários:

  1. Belíssima postagem!
    "As vidas de Chico Xavier" foi um dos primeiros livros espíritas que li. Conheci um pouquinho do nosso Maravilhoso Irmão através desta leitura. Abraços de Luz ao anela Espírita!!!

    ResponderExcluir
  2. Querida Carla, você tem razão, este livro é belíssimo e nos esclarece muito sobre nosso querido Chico Xavier!!

    Muito bom tê-la unida ao grupo!!

    Grande abraço!
    Fernanda
    (Janela Espírita)

    ResponderExcluir
  3. A alegria é toda minha!
    Abços fraternos!!

    ResponderExcluir